Conteúdo | TRÊS RIOS

 

PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS RIOS

 

A partir do século XIX, quando Antônio Barroso Pereira obteve o pedido de início de 16 de setembro de 1817, "terras de sesmaria não sertão entre os rios Paraíba e Paraibuna ..." Não é o primeiro da região da sesmaria, exarada pela coroa portuguesa, que é identificação da primeira toponímia do município “Entre-Rios”.

Dentro de seu patrimônio territorial, Antônio Barroso Pereira fundou cinco fazendas: a Fazenda Cantagalo, mais importante, e como fazendas Piracema, Rua-Direita, Boa União e Cachoeira, todas dependentes da primeira.

A 23 de junho de 1861 foi inaugurada uma rodovia União-Indústria (Petrópolis a Juiz de Fora) e que passava pelas terras da fazenda Cantagalo. Essa rodovia contou com grande colaboração do fazendeiro Antônio Barroso Pereira e, por esse motivo, o imperador Pedro II conquistou, em 1852, com o título honorífico de Barão de Entre-Rios. Ainda em sua homenagem a estação rodoviária local, foi dado o nome de Estação de Entre-Rios. Com o batismo da estação não tardou que o pequeno povoado, formado às margens da rodovia, passasse a ser conhecido como Entre-Rios.

Em 1867, os trilhos da Estrada de Ferro D. Pedro II chegaram à região e, tal a rodovia, essa ferrovia receberam o importante apoio do Barão que, falecido em 1862, transmitiram uma fazenda Cantagalo para a filha Mariana Claudina Pereira de Carvalho, feita Condessa do Rio Novo em 1880.

A condessa, sem filhos, a Condessa, falecida em 5 de junho de 1882, em Londres, onde se encontrava no tratamento de saúde, deixou uma fazenda para uma obra assistencial que planejava a Paraíba do Sul, uma Casa de Caridade, com uma recomendação do que "as terras próximas à Estação de Entre-Rios", serão as mesmas para aqueles que querem residir. Tratava com essa ajuda de recursos especiais perpétuos com a futura casa de assistência social.

Soma-se a uma movimentação que já se faz sentir pela rodovia e pela ferrovia, uma oportunidade de aforamento de terras ter vindo, sobremaneira, um efetivo progresso para o local, já reconhecido como importante entroncamento rodoferroviário. A 13 de agosto de 1890, pelo decreto 114, o povoado de Entre-Rios foi erguido no 2º Distrito do Paraíba do Sul.

Confirmação-se o acelerado progresso local, apresentado por uma superioridade em sede de distrito sede: maior população, maior contingente eleitoral, maior arrecadação de impostos - variados componentes que fizeram com que o povo entrentriense reivindicasse a sua emancipação de Paraíba do Sul, já sem início da década de 20.

A 14 de dezembro de 1938, pelo decreto 634, o distrito de Entre-Rios conseguiu a sua emancipação.

Todavia, o município, nascido em a toponímia de Entre-Rios, viu-se no início dos anos 40 obrigado, por órgão federais, a mudar de posição para a triplicidade do nome existente em outros municípios brasileiros. A partir de 31 de dezembro de 1943, pelo decreto-lei 1056, o município de Entre-Rios passou a chamar TRÊS RIOS, em clara conotação aos três maiores rios que cortam o seu território: rios Paraíba do Sul, Piabanha e Paraibuna.

Três Rios, terra afável e hospitaleira, é a plenitude que existe e a esperança que nos chega a ela.

 

Texto:
Ezilma Maria Teixeira Professora de História e Historiadora; membro do Instituto Histórico e Geográfico da Parahyba do Sul; membro do Instituto de Estudos Valeparaibanos - SP; ex-conselheira do Conselho Municipal de Cultura de Três Rios - dirigindo a Câmara de Patrimônio Histórico.