Conteúdo | AVÓS QUE SABEM QUERER BEM

Avós que sabem querer bem
 
Aprender a querer bem é o principal objetivo da educação familiar. As heranças espirituais e os legados familiares não dão para ser transmitidos sem amor.

O ponto de referência de uma pessoa culta - por ser pessoa, e por ser culta - é o amor.

O clima de carinho é a única atmosfera respirável para uma pessoa. Sem amor, o pensamento se degrada. Sem amor, a cultura familiar não se torna possível.

O critério para julgar uma cultura é a verdade, o bem e a beleza.

O amor, porém - referindo-se ao ser humano - é «a primeira reação de seu sentimento e de sua vontade, que se comprazem no bem» (J. Hervada em Diálogos sobre o amor e o matrimônio), também está relacionado à verdade, ao bem e à beleza.

Quando se quer destacar a qualidade de uma relação amorosa, fala-se:

- de um amor bom;

- de um amor verdadeiro;

- de um amor belo.

A educação, igualmente, pode ser entendida como um processo de desenvolvimento da capacidade humana para apreender a verdade, o bem e a beleza, e para se viver de acordo com esta capacidade de captação do verdadeiro, do bom e do belo.

Por conseguinte, há uma clara relação entre cultura, educação e amor. Aprender a querer bem é o principal objetivo da educação familiar. As heranças espirituais e os legados familiares não dão para ser transmitidos sem amor. Por isso, não basta que os avós sejam pessoas cultas.

É necessário que os avós saibam querer bem, saibam amar.

A razão pela qual a casa dos avós, e os avós, vêm a ser um centro transmissor e difusor de cultura, ou um lugar no qual nasce a cultura, ou se respira cultura, reside no fato de que existem avós que sabem querer bem, que sabem amar. Isto quer dizer que:

- sabem doar-se, doando-se;

- manifestam seu amor sob formas de serviço ao outro;

- estão disponíveis, sem perder a própria autonomia;

- não coisificam as pessoas;

- não são escravos de ninguém e de nada;

- não fazem chantagem afetiva;

- esperam receber, embora não necessariamente na mesma proporção de seu desprendimento ao doar-se; e

- contemplam a vida serenamente, desde sua modesta expectativa.

Saber querer bem é saber dar e saber receber, crescendo sempre nesta capacidade de dar e de receber.

Dar, ou doar-se, significa desprender-se tanto do material como do espiritual, em função do crescimento pessoal dos outros.

E receber é aceitar algo, material ou imaterial, como um presente, demonstração de apreço, ajuda necessária, como correspondência de parte a parte.

Recebendo sempre em função do crescimento pessoal.

O amor dos avós não se limita a dar e receber porque, ao fazê-lo, eles conseguem ensinar também às novas gerações a dar e a receber de parte a parte.

Não se trata, portanto, de dar e receber apenas coisas materiais, mas de harmonizar o material e o espiritual, ensinando, assim, a agradecer, desde o exemplo de sua própria gratidão manifestada.

Dar, segundo as necessidades reais dos outros. O que mais necessitam, os outros, é de palavras vivas. Contrariamente, as palavras mortas, características da instabilidade frívola em que vivemos,

- produzem fastio;

- anestesiam a alma;

- degradam a racionalidade humana;

- adoecem a vontade;

- massificam;

- paralisam;

- entorpecem.

Onde encontrar, no entanto, palavras vivas?

Amor de avós, amor agradecido, desprendido, compreensivo e delicadamente exigente. Amor capaz de caminhar com seus netos. E com os outros membros todos da família, se também eles estiverem dispostos a caminhar juntos.

Amor para ver as coisas com aguda percepção e profundidade, prestando muita atenção à direção ideal para cada caminho.

Amor capaz de conhecer o coração e os pensamentos dos netos.

Amor para escutá-los e para ensiná-los a conversar.

Só para os netos? Não, para todos os que procuram ou aceitam essa ajuda.. Acontece que os netos têm o coração mais dócil e respondem melhor, normalmente, ao amor dos avôs e avós jovens.

Amor de avós, em e desde um espaço humano que, previdente mente, eles souberam criar, com a ajuda dos arquitetos, em meio às dificuldades, para que os filhos e os netos encontrem ali um oásis de cultura e um refúgio amoroso, entre o corre-corre e a superficialidade do momento atual.

Fonte: Edufam - www.edufam.es

Tradução: mcferreira

Publicado no Portal da Família em 26/05/2008